Pesquise no blog

Visitantes Corais

sábado, 28 de novembro de 2015

Entrega de faixas pelo Supercampeonato de 1957

No dia 20 de maio de 1958 o Santa Cruz organizou um jogo festivo para entregar as faixas de Supercampeão aos seus jogadores, título conquistado no ano anterior.  A partida, contra o Auto Esporte da Paraíba, teve arbitragem de Sherlock, terminou com a vitória do Santa pelo placar de 2x1. Abaixo, algumas fotos dessa festa extraídas da edição do Diário da noite do dia 21 de maio de 1958.

sexta-feira, 27 de novembro de 2015

Solenidade de abertura de um jogo da Excursão da Morte - 1943


quinta-feira, 26 de novembro de 2015

Camisas - 2015

terça-feira, 24 de novembro de 2015

Facó - 1969 - 2010

Orlando Facó nasceu em Beberibe-CE no ano de 1945. Atuando como atacante começou sua carreira nas categorias de base do Fortaleza, no início da década 60. Em 1963 conseguiu o primeiro título: Campeão Cearense Juvenil. Dois anos depois Facó já era um jogador consagrado tendo conquistado o título de Campeão Cearense jogando pelo time profissional do Fortaleza. Acabou se transferindo para o rival Ferroviário e sagrou-se bicampeão cearense pelo Ferrão. Em 1969 Facó foi contratado pelo Santa Cruz e ajudou o clube a conquistar o título de campeão pernambucano daquele ano. Jogou ainda pelo Treze de Campina Grande, Calouros do Ar e Maguari. Após encerrar a carreira de atleta enveredou na política conseguindo se eleger duas vezes prefeito de Beberibe, sua cidade natal. Sempre preocupado com o futuro, formou-se em engenharia em 1972 ainda quando era atleta profissional. Atualmente (2015) Facó é dono de uma empresa do ramo de máquinas e engenharia e mora no Ceará.

Com informações do vídeo: “Por Onde Anda?” – Tribuna do Ceará - Jangadeiro Online


domingo, 22 de novembro de 2015

Carreata do Acesso - 1999

sábado, 21 de novembro de 2015

Documentário: Ramón - O Artilheiro do Brasil



Vídeo documentário realizado a quatro mãos pelos jornalistas Pedro Costa e Thiago Vasconcelos narrando a trajetória do grande craque do Santa Cruz, Ramón, artilheiro do Brasil em 1973.

Mascotes do Santa Cruz com o Santos de Pelé - 1973

O jogo terminou empatado em 1x1

Rinaldo - 1987 - 2013

Antônio Rinaldo Gonçalves, o “Rinaldo”, nasceu em Campina Grande-PB, no dia 31 de outubro de 1965. Atuando como atacante iniciou sua carreira no Campinense. Teve também  uma breve passagem pelo Treze e chegou ao Santa Cruz em 1987. Depois de uma temporada com ótimas atuações foi contratado pelo Fluminense. Rinaldo teve uma convocação para a seleção e jogou na partida que comemorou os 50 anos de Pelé. Jogou ainda pelo São Paulo, Sport, Portuguesa, Gamba Osaka do Japão, Marítimo e Moreirense de Portugal, Juventude e Karnten onde encerrou a carreira em 2004.


James Thorp, o benemérito do Santa Cruz

James Mark Sutton Thorpe, o James Thorp, filho de ingleses, empresário e dirigente esportivo. Torcedor do Santa Cruz Futebol Clube, do Recife, nasceu no dia 19 de dezembro de 1933.
Muitas vezes era visto passeando de bicicleta, toda enfeitada de fitas vermelha, preta e branca, além da fâmula tricolor do seu clube esportivo do coração. Quando ainda jovem assistia aos jogos do Santa Cruz acompanhado do Francisco, mordomo da família, e torcedor do clube. Recebeu convite do dirigente Aristófanes de Andrade para ajudar financeiramente o clube e nunca negou. Ficou estarrecido ao saber que no clube só tinha três pratos e três talhares para alimentar todo elenco de jogadores e eles faziam fila de três em três para almoçar. James Thorpe aumentou seu apoio financeiro. Comprou mais alimentos, pôs os salários em dia. E começou a formar um elenco com atletas da região. Era identificado pelos torcedores como "Seu Jimmy", "o inglês", "o galego". Bem vestido, com um carrão do ano, fumando charuto, galego e de olhos azuis, aquele homem jamais poderia ser um simples torcedor do Santa Cruz, o time do povão de Pernambuco.
Sua trajetória no Arruda começou em 1969, como diretor de futebol, permanecendo no cargo até o final do ano de 1970. Foi presidente do Santa Cruz no biênio 1971/72, e presidente do Conselho Deliberativo entre 1973/74. No ano de 1971 foi acertada a realização da Minicopa do Brasil, e Recife seria uma das cidades-sede. Faltava um estádio. James Thorp era o presidente do Santa Cruz, assumiu e garantiu a ampliação do Arruda. Conseguiu financiamento no Banco Industrial de Campina Grande, e a obra foi realizada pela empresa Queiroz Galvão (50%) e a Construtora Loyo (50%). O empréstimo foi totalmente quitado pelo Santa Cruz. O estádio foi reinaugurado no dia 04 de junho de 1972, no jogo Santa Cruz 0 x 0 Flamengo-RJ. A presença do mito James Thorpe no Arruda fez com que, vários tricolores de posse, que tinham vergonha de assumir publicamente a paixão pelo Santa Cruz se apresentasse como colaboradores, ajudando a fortalecer as bases de sustentação financeira do clube.
Depois de 1973 James Thorp foi se afastando do futebol. Faleceu na manhã do dia 23 de março de 1994, aos 61 anos. À noite, jogaram Brasil x Argentina, no Arruda lotado. Não foi prestado o minuto de silêncio que o inglês merecia. No seu enterro estavam presentes os filhos, a mulher, o motorista da família, um torcedor e vários amigos dele. Dona Carmen, a viúva, sensibilizada pelo ato de compaixão do solitário torcedor, mandou o motorista trazer toda a roupa do falecido e fez uma doação ao humilde e solitário torcedor.  Segundo Thomas Thorpe, filho de James Thorpe, a ordem para vetar o minuto de silêncio partiu de Ricardo Teixeira e João Havelange.  Essa atitude até hoje é incompreendida já que os dois dirigentes da CBF viviam na casa de James Thorpe em busca de recursos financeiros. Mesmo sem a homenagem oficial os torcedores do Santa Cruz que estavam presentes no jogo da Seleção Brasileira fizeram um minuto de silêncio reverenciado o grande James Thorp.
Com informações de  onordeste.com e do filho de James Thorp, Thomas Thorp.



sexta-feira, 20 de novembro de 2015

Baiano, com a camisa do Santa, em matéria da Revista Placar - 1981



Originalmente publicado na
Revista Placar em  1981

Atenção!

Para ler as postagens de jornais e revistas do Arquivo Coral siga essas dicas: clique na imagem com o botão direito do mouse, depois clique em “Abrir em nova aba” ou "Abrir link em nova guia". Clicando na nova aba que abrir a imagem poderá ser ampliada ao máximo facilitando a leitura.

quinta-feira, 19 de novembro de 2015

Carlos Benning - 1933


Time de 1928



quarta-feira, 18 de novembro de 2015

Futebol em preto e branco: Santa Cruz x Náutico - 1954

Placar não disponível

Matéria da Revista Placar com Luís Barbalho, um dos fundadores do Santa Cruz - 1975

Nessa matéria da Placar, Luís Barbalho, um dos fundadores do Santa Cruz revela: depois que a Federação Pernambucana impôs ao Santa a necessidade da mudança no padrão (O Flamengo do Recife era mais antigo e tinha a preferência para usar padrão preto e branco) o Santa acrescentou o vermelho inspirado pela bandeira da Alemanha. Assim nasceu a mística tricolor!

Originalmente publicado na
Revista Placar em  24 de Janeiro de 1975

Atenção!

Para ler as postagens de jornais e revistas do Arquivo Coral siga essas dicas: clique na imagem com o botão direito do mouse, depois clique em “Abrir em nova aba” ou "Abrir link em nova guia". Clicando na nova aba que abrir a imagem poderá ser ampliada ao máximo facilitando a leitura.


Excursão do Santa Cruz ao Pará - 1935

Em 1935 o Santa Cruz foi convidado pela Tuna Comercial para realizar um jogo amistoso festivo inaugurando o estádio do clube paraense. A foto acima, extraída do Diário da Manhã do dia 02 de julho de 1935, destaca a delegação Coral, chefiada por Virgílio Borba Filho, embarcando no vapor Jeceguai com destino ao Pará. O Santa Cruz venceu o jogo em Belém e conquistou a Taça Governador Carlos de Lima Cavalcanti. O técnico do Santa era o ex-goleiro Ilo Just.

A delegação completa do Santa era formada por:
(Floriano) Dadá, Diógenes Prado, Marcionillo Aquinno, João Martins, Adhemar Menor, José Orlando, Ernane Zlocowick, Valfrido dos Santos, Sardena, Lauro, (Humberto Ribeiro) Limoeiro, Jaime, (Alcides Lima Junior) Sidinho, José Pequeno, Carlos Benning,Lauro Monteiro, Humberto Vianna Tará e Sebastião França.

Com informações do Blog do Fernando Machado


 Obs: Não confundir com a "Excursão da Morte"  realizada em 1945.


terça-feira, 17 de novembro de 2015

Zezé Fernandes - 1933

Zezé Fernandes fez parte do time Coral tricampeão da década de 30. Polêmico, em 1933, num jogo decisivo contra o Sport o Santa vencia a partida, Zezé recebeu a bola e, ao invés de dar continuidade à jogada, sentou na bola gerando uma grande confusão. Zezé Fernandes teve uma carreira breve como atleta, acabou abandonando o futebol para se dedicar a política chegando a ser eleito Deputado Estadual em Pernambuco.


Santa Cruz 1x1 Flamengo - 1947


segunda-feira, 16 de novembro de 2015

Sherlock -1933 - 1977

Argemiro Félix de Sena, o “Sherlock”, nasceu no Recife, bairro de São José, no dia 28 de junho de 1910. Argemiro ganhou o apelido de “Sherlock” ainda menino porque era fã do famoso detetive inglês. Antes de jogar no Santa Cruz, o jovem Sherlock chegou a fundar um clube, o Guanabara. Ele teria desviado uma quantia em dinheiro da mercearia do seu pai para realizar tal feito. Ao mesmo tempo em que mantinha o Guanabara, jogava no Concórdia junto com Carlos Benning e Lauro. Os dois amigos, que também jogavam no Santa Cruz, o convidaram para fazer um teste na equipe Coral. Sherlock, que atuava como ponta-direita, entrou no time juvenil do Santa substituindo um zagueiro. Depois de uma boa atuação ele foi aprovado e logo assinou uma proposta de sócio-atleta.  Depois de apenas dois jogos teve mais uma promoção: chegou ao segundo time, o de aspirantes.

 Em 1930 Sherlock chegou ao time de profissionais do Santa Cruz. Em 1931 sagrou-se Campeão Pernambucano, era o primeiro título do Santa. Atuaou também nos títulos de 1932 e 1933, o primeiro tri do Santa. Sherlock também era treinador e árbitro de futebol da Liga Suburbana. Em 1934 passou a integrar a Liga Pernambucana de Desportos Terrestres passando a apitar jogos das categorias de base.

Com apenas 24 anos de idade, Sherlock teve sua grande oportunidade como árbitro: ele assistia a uma partida entre Sport x Náutico, o juiz do clássico faltou, como não havia juiz reserva na época ele foi convidado a apitar o jogo. Assim começou a grande trajetória do polêmico árbitro. Em 1948 passou a integrar os quadros da FIFA e a partir de 1955 passou a dirigir o Departamento de Arbitragem de Pernambuco. Em 28 anos de carreira, apitou 353 jogos em Pernambuco, um recorde que perdura até os dias de hoje. Sherlock morreu no dia 28 de agosto de 1991 aos 81 anos.

Com informações da Revista Placar 1977 e Nordeste.com



Lelê - 2015

Wesley de Jesus Correia, o “Lelê”, nasceu em Diadema, São Paulo, no dia 09 de fevereiro de 1990. Atuando como meia-atacante, iniciou sua carreira nas categorias de base do São Bernardo em 2007. Dois anos depois, já no Coritiba, se profissionalizou. Não conseguindo se firmar na equipe paranaense, se transferiu para o Oeste de Itápolis e começou a se destacar. Depois de uma boa atuação contra o Santa Cruz, em 2014, foi contratado.

domingo, 15 de novembro de 2015

Danny Morais - 2015

Danny Bittencourt Morais, o “Danny Morrais”, nasceu em Porto Alegre-RS, no dia 29 de junho de 1985. Danny é neto do ex-goleiro  do Palmeiras Valdir Morais e atua como zagueiro. Iniciou sua carreira, com apenas 13 anos, nas categorias de base no Internacional em 1998. No ano 2000 ganhou seu primeiro título importante, foi campeão mundial sub-15. Em 2006 chegou ao time profissional do Internacional. Dois anos depois foi jogar no Botafogo do Rio de Janeiro e sagrou-se campeão carioca de 2010. Em 2012, já atuando pelo Bahia, foi campeão baiano. Jogou ainda no Al-Etiffaq da Arábia Saudita e na Chapecoense. Em 2015 Danny Morais chegou ao Santa Cruz. Muito criticado no começo foi crescendo durante o campeonato da Série B e foi peça importantíssima na campanha do acesso para a Série A e nos títulos dos Pernambucanos 2015 e 2016 além da conquista da Copa do Nordeste. Atualmente (2017) Danny Morais joga no Busan IPark da Coreia do Sul.