Pesquise no blog

Visitantes Corais

domingo, 29 de janeiro de 2012

Amilton Rocha - 1981


Amilton Cavalcante da Rocha nasceu no dia 21 de outubro de 1951. Atuou pelo Santa Cruz entre as décadas de setenta e oitenta. Jogou também no Fortaleza, Guarani, Sport, Palmeiras, Colorado (Atual paraná Clube), América de Natal, Ceará, Sampaio Correia e Ferroviário do Ceará clube em que encerrou a carreira em 1988.

Jair - 1975-1976-1977

O Goleiro Jair, além do Santa Cruz, atuou também no Grêmio. Atualmente (2012) reside em Porto Alegre e exerce a função de preparador de goleiros.

Carlos Alberto Barbosa - 1975 a 1981

Seleção Sub-21 - Agosto 1975
Em pé: Éder, Tião Marsal, Carlos Alberto Barbosa
Toninho Vanusa, Everaldo e o goleiro Carlos. 
Agachado: Celson Freitas.
Foto: Site Milton Neves

Carlos Alberto Barbosa era lateral direito, atuou no Santa Cruz entre o final da década de setenta e início da década de oitenta. O jogador faleceu, em campo, no dia 07 de março de 1982 quando atuava pelo Sport.

Joãozinho - 1978 à 1980

Além da habilidade, uma quase redundância para os ponta-esquerdas da época, ele parecia carregar, em cada clube que ia, uma enorme sorte. Só não foi campeão estadual pelo Corinthians. Nos demais, deixou sua marca. Em 14 anos de carreira, Joãozinho contabilizou oito títulos, quatro desses por times pernambucanos. Depois de largar o futebol, o ex-atacante do Santa Cruz e Sport se alojou em Carmópolis, cidade a 40 quilômetros de Aracaju, capital sergipana. Lá, trabalha como técnico do São Cristóvão - onde já foi presidente - e, paralelamente, é funcionário concursado da prefeitura local, onde exerce a função de guarda municipal.

Revelação do futebol sergipano na época, Joãozinho chegou a Pernambucano através de uma indicação no mínimo curiosa. “Naquele tempo, não tinha empresários de futebol como hoje. Quem me indicou para os times de Pernambucano foram os árbitros da época Sebastião Rufino e Manuel Amaro, que apitava sempre em Sergipe e conhecia meu futebol”, conta Joãozinho.

No Santa Cruz, ele fez parte da geração de ouro do clube. “Foi um dos melhores times que joguei. Na época, Givanildo (Oliveira) tinha sido convocado para a Seleção Brasileira. O time era dirigido por Evaristo de Macedo. Fizemos 100 gols no Regional. Acho que ainda deve ter uma placa no Arruda lembrando disso”, diz o ex-ponta-esquerda, que não se esquece de um gol feito, no Arruda, diante do Internacional. 

Poxa, eu estava até querendo gravar em DVD uns gols que fiz no Santa Cruz, principalmente o contra o Inter (26/ 09/79). Passei por todo mundo, até o goleiro Benitez eu driblei, antes de fazer o gol”, recorda.

Já a sua passagem no Sport não foi tão boa assim e terminou deixando cicatrizes até hoje. “Fui tricampeão no Sport, mas sou mais benquisto no Santa. Tive alguns problemas no Sport. Quebrei o rosto em Caruaru, no estádio Pedro Victor (atual Lacerdão). O falecido Macaé, que foi lateral do Sport, deu um chute que quase arranca meu maxilar. Estava chovendo, e depois que dei um drible escorreguei, caindo com o rosto na frente da bola. Aí o Macaé, sem querer, terminou me acertando. Só vim acordar no hospital, depois da cirurgia. Fiquei um ano sem jogar. Fiz plásticas e quase perco a vista. Ainda hoje sofro porque meus dentes caem facilmente por causa desse acidente”, relata Joãozinho, que largou o futebol sem fazer um bom pé de meia.

Fui vendido para o Corinthians depois daquela goleada que o Santa tomou do Bahia por 5x0. Fui para lá ganhando bobagem. Além disso, minha família não se adaptou ao frio, e terminei vindo embora. Foi um erro meu”, afirma.
Perfil/Joãozinho

Nome: João Marques de Oliveira Souza
Apelido: Joãozinho
Data de nascimento: 25/06/56
Local onde nasceu: Aracaju/SE
Trajetória no futebol: Sergipe (1973-75 e 1989); Confiança (1976-77); Santa Cruz (1978-80), Corinthians (1980-81); Sport (1982-86 e 1988) e Bahia (1987)
Títulos: Campeão sergipano (1976, 77 e 88), pernambucano (1978, 79, 82 e 88) e baiano (1987).

Fonte: Folha Digital.

Betinho -1978 - 1980

O capixaba Roberto Fontana Madeira, o Betinhonascido em 9 de julho de 1947, veio para o futebol pernambucano em 13 de abril de 1971, egresso do Botafogo do Rio de Janeiro para o Santa Cruz, já sendo campeão na campanha do tricampeonato. Em 1972, o tricolor do Arruda conquista o tetracampeonato com Betinho na equipe. Ainda este ano, fez o gol na reinauguração do Estádio José do Rego Maciel (Arrudão) na vitória por 1 a 0, contra a Seleção Brasileira de Novos.

Em agosto de 1973, foi contratado pelo Náutico que desejava a qualquer custo evitar o hexa do Santa Cruz que igualaria ao seu feito, onde detém  até hoje. Betinho que era ídolo no Santa Cruz, diz que foi boicotado no Náutico por Jorge Mendonça (que depois brilhou no Palmeiras), Vasconcelos e Cincunegui ( que fez sucesso no Atlético Mineiro e sudeste). Betinho não se firmou no Náutico, mas foi campeão em 1974, evitando o hexa tricolor. Betinho ficou no Náutico até 12 de fevereiro de 1976.

Em 13 de fevereiro de 1976, insatisfeito na equipe timbu, retornou a equipe coral que o contratou pela importância de cem mil cruzeiros. O Santa Cruz não se arrependeu, pois Betinho foi um arraso no campeonato, conquistando o título do Campeonato Pernambucano de 1976, sendo um dois principais jogadores do time juntamente com Givanildo Oliveira e o artilheiro Nunes. Betinho permaneceu no Santa Cruz de 1976 a 1980. Em 1978/79 foi bicampeão pernambucano. Em 25 de outubro de 1978, ganhou uma placar no Estádio do Arruda por fazer um gol de placa”, em jogo contra o Ferroviário do Recife, pelo Estadual. O goleiro do ferroviário chutou a bola pra o meio campo, Betinho matou a bola com o pé direito e chutou com o esquerdo fazendo um belo gol.

Betinho, foi um dos grandes jogadores que passaram pelo futebol pernambucano. É o único jogador que ganhou título pelos três grandes de Pernambuco. É um dos maiores goleadores da história do futebol pernambucano com106 gols, 90 deles vestindo a camisa do Santa Cruz .

Fontes: Diário de Pernambuco, Revista Placar e Vozes da Zona Norte